Paz: uma conquista impossível

          O mundo sempre viveu em contantes conflitos, sendo por divergências políticas, religiosas ou culturais. Dessa maneira, é uma questão de tempo para que uma 3ª Guerra Mundial aconteça. Segundo alguns historiadores, o homem nunca deixou de estar em guerra a partir do momento em que a primeira batalha iniciou-se. Durante todos esses milênios, não houve um sequer ano de paz. Foram registrados 14500 conflitos armados e quatro bilhões de mortos. É um absurdo ter mais da metade da população mundial em vítimas ao longo da história da humanidade.

– Amanda Cavalcante Laranjeira

          A história é cíclica a estrutura é a mesma, só mudam os personagens, disse Maquiavel, e essa história é marcada por um turbilhão de erros humanos que poderiam ser evitados no futuro, sabendo as suas conseqüências, mais inteligente a fazer seria não repeti-las, porque mesmo lembrando de suas glórias, o passado nas guerras é narrado também por muitas perdas e mágoas. A paz talvez nuca seja conquistada, mas a guerra pode ser evitada, e o mundo pode tentar chegar perto do ideal paz.

– Marina Cichowicz

          “Façamos a guerra para poder viver em paz” afirmava Aristóteles. O homem para se proteger investe milhões na indústria bélica. Essa ideologia vem desde primórdios, quando os humanos sempre usaram a violência como uma forma de segurança. Para muitos historiadores o tempo em que a terra esteve em paz por completo é insignificante quando comparado com a sua existência. Enfim, qual a importância da paz? O que ela significa? Nesse cenário, a paz pode ser um ideal, uma busca constante de tranqüilidade, harmonia entre os povos e ausência de violência.
Após o world trade Center, em 2001 nos EUA, uma guerra contra o terrorismo foi declarada. Em 2005, 2,5% do produto interno bruto mundial foi dirigido a armas e os únicos a ganharem com isso foram os donos de indústrias armamentistas. Hoje em dia, o mundo passa novamente pela mesma situação de dez anos atrás. Com a morte de Osama Bin Laden, líder do grupo terrorista Al-Qaeda, o medo de ataques terroristas exacerbou e diante disso é possível perceber que a guerra gerou mais guerra e o mundo não ficou mais seguro como se imaginava. Muito pelo contrário.
Nota-se, na evolução da espécie, que o homem nunca deixou a arma e isso explica os pensamentos do filósofo Hobbes. Para ele o homem é naturalmente violento e, para proteger a sua vida, é preciso eliminar a do outro. As principais causas da guerra são o combate ao terrorismo, expansão territorial, intolerância religiosa, ódio étnico e o petróleo. Contudo, quando se conhece a guerra, percebe-se a necessidade da paz. É importante citar que se forem colocados em uma parte da balança, os gastos com guerras e na outra parte os gastos com pessoas, os gastos com guerra sempre prevaleceram. O ser humano é desvalorizado e se torna vitima dessa situação.
Ao contrário do que muitos pensam a paz não é uma conquista impossível, cabe ao seres humanos encontrarem outro jeito de se proteger sem utilizar armas ou guerras. Um exemplo é Gandhi, que através da resistência pacífica e da não violência conseguiu a independência de um país inteiro. Mas é preciso a conscientização de todos pois, se as coisas continuarem como estão a Terra nunca será um lugar dominado pela paz.

– Daniela Pousada Azevedo

          Na Antiguidade, os conflitos eram baseados em conquistas territoriais, mais tarde em modelos socio-econômicos e hoje em dia são étnico-religiosos. Para um mundo tão moderno, esses motivos parecem um tanto quanto ultrapassados. O tempo passa e os homens arranjam mais motivos para conflituar. Os gastos passam a financiar guerras, enquanto deveriam ser investidos em educação, transporte, segurança e lazer. É como se, ao invés de progredir com o passar do tempo, as pessoas vivessem numa constante regressão. Não se pode, no entanto, generalizar. Ainda há muito que lutam por um mundo melhor, através de ONGs, de trabalhos voluntários e denunciando as injustiças sociais.

– Vanessa Nogueira Alves

          Em todo o planeta, 25% dos cientistas, por sua vez, dedicam-se a pesquisas e novas tecnologias para a indústria especializada em guerras enquanto poderiam estar pesquisando sobre doenças, novas curas e novos métodos de tratamento.

– Clara Rocha Gonçalves

          Desde os homens primatas o homem nunca deixou uma arma, que foi evoluindo com o passar do tempo. Isso mostra como somos guerreiros, bélicos. A história por si só mostra que quase nunca tivemos paz. O instindo pela vingança talvez seja o maior aliado contra ela. A maioria das pessoas só  considera ter paz quando há um cessar de guerra ou violência, mas ela está muito além disso. Existe também a paz interior, que leva em consideração o estado de espírito da pessoa consigo mesmo

– Anna Carolina Brito

Anúncios

Sobre wattgrupo4

Amanda, Clara, Daniela, Vanessa, Marina e Anna Carolina. Ver todos os artigos de wattgrupo4

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: