Trabalho de História e Sociologia

Aplicações do conceito de Darwinismo Social e do Evolucionismo na sociedade do século XXI: A hegemonia da boneca Barbie

Durante os últimos dois bimestres, estivemos aprendendo sobre a época das revoluções burguesas liberais e o crescimento do contingente industrial, acarretando no desenvolvimento do capitalismo e na procura cada vez maior das potências pelos três emes: mão-de-obra barata, matéria-prima abundante e mercado consumidor.

Sendo assim, as potências européias iniciaram ações que foram denominadas de Neocolonialismo, com a exploração dos continentes africano e asiático, porém com novos objetivos e novas justificativas para seus atos.

Nessa mesma época (final do século XIX e começo do XX) o cientista e biólogo Charles Darwin conclui seu trabalho sobre a Teoria da Evolução das Espécies, onde apresentava novos conceitos que justificavam a existência da variedade de plantas e animais em nosso planeta.

No entanto, as potências européias (Alemanha, Inglaterra, França) adotaram as idéias de Darwin e as aplicaram na nossa sociedade, nascendo assim o conceito ideológico do Darwinismo Social.

Com o Darwinismo social, foi possível justificar a atuação das grandes potências nos continentes africano e asiático, levando em consideração sua situação superior em relação aos povos neocolinizados. Dessa forma, os capitalistas, industriais e caucasianos seriam biologicamente superiores aos negros e orientais que viviam em uma sociedade ainda sem o avanço industrial.

Esse pensamento contribuiu ainda mais para o desenvolvimento do racismo e do preconceito. Ainda alvo de muitas pesquisas, essa ideologia continua presente na nossa sociedade, tanto de forma implícita quanto explicita. Logo, temos como nosso objetivo, provar que a mentalidade ultrapassada do Darwinismo social e do Eurocentrismo ainda fazem parte da nossa realidade, analisando segmentos de nossa sociedade.

Um dos exemplos de Darwinismo Social é a indústria da boneca Barbie, que foi criada em 1959 como a primeira boneca a ter formas adultas desenvolvida para crianças, pois, até o momento, só existiam as tradicionais bonecas estilo bebê.

 Até os anos 80, a Barbie permaneceu sendo apenas magra, loura, branca, ou seja, americana, até que lançaram o modelo de Barbie negra, mesmo assim sendo rara na época.

 Mesmo com a mudança de gerações, a Barbie negra continua sendo a “isolada” nas lojas de brinquedo, pois quase não a encontramos, e quando achamos, é vendida por preços menores que uma Barbie loira, considerada tradicional. Infelizmente esse enfoque ainda é muito pequeno, pois não vemos propagandas com a Barbie negra, e a preferência das crianças continua sendo por uma Barbie branca e loira. O resultado desses fatos é a formação de um exército de pessoas preconceituosas, pois desde crianças vivenciam a inferioridade de afro-descendentes em seus brinquedos.

 Além de toda a polêmica em relação à representação racial das bonecas Barbie, há em si toda a ideologia de um estereótipo de perfeição física e do papel das mulheres na sociedade. As bonecas são um meio de identificação com a vontade da criança de virar adulta, e tornar-se magra e perfeita.

Podemos concluir que essa abstenção de bonecas que não sejam caucasianas ocorre devido ao desenvolvimento de um preconceito étnico presente desde o começo da participação da população infantil na sociedade. Infelizmente, ainda encontramos muitos brinquedos, e até mesmo filmes, onde o herói é branco e o vilão (algumas vezes) é negro.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: